quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Carlos Moura

Nome completo: (carece fonte)
Nome artístico: Carlos Moura
Data de nascimento: (carece fonte)
Local: Palmeira dos Índios/AL
Gênero: Forró e Música Regional.

BIOGRAFIA

Natural de Palmeira dos Índios/AL, Carlos Moura começou a se apresentar junto com os Bárbaros, tocando em bailes e matinês nas tardes de domingo em Maceió/AL, no início da década de 1970. Mais tarde no Grupo Vento, começou a compor e cantar suas próprias canções. Mudou-se para o Rio de Janeiro, onde deu início a carreira solo, gravando em 1980, "Reviravolta", o seu primeiro LP. Mas foi com seu segundo disco, "Rosa de Sol", que veio torná-lo reconhecido nacionalmente com a música "Minha Sereia", uma homenagem à Maceió, colocando-o entre os destaques da MPB.

A confirmação do sucesso do cantor e compositor alagoano concretizou-se com os discos: "Água de Cheiro" e "Estrela Cor de Areia". Essa boa sequência de sucessos fez com Carlos Moura fizesse apresentações no programa Som Brasil (Globo); Empório Brasileiro (BAND); Jô Soares Onze e Meia (SBT) e Fantástico (Globo) que exibiu um clip da música "Cometa Mambembe", grande sucesso nacional.
Durante o São João pelo Brasil, apresentou-se ao lado de figuras como Dominguinhos, Genival Lacerda, Zé Ramalho e Geraldo Azevedo. Nos anos 1990 fez uma série de apresentações pelo Canadá.

[ Fonte: www.belasmidis.com ]


NO MAR DE PAJUÇARA

Aos poucos, os cantores alagoanos da geração 80 - que fizeram sucesso não apenas no Estado mas, principalmente no País - estão voltando ás paradas de sucesso. Exemplos não faltam. O mais recente é o cantor Carlos Moura, talentoso músico que volta a fazer shows por estás bandas.

No próximo sábado, o artista estará se apresentando no Restaurante Gouveia, na Pajuçara, bairro cuja praia lhe serviu de inspiração para o seu maior sucesso: "Minha Sereia".

A geração mais nova talvez nem cante mais as suas músicas. Ou as cante sem saber que são dele. Mas o fato é que CM conquistou um espaço no difícil e disputado mercado músical brasileiro com músicas como "Rosa de Sol" e "Minha Sereia, entre outras.

No show de sábado, o músico canta não apenas essas duas canções, mas várias outras composições, num show acústico que tem sabor de nostalgia, mas também de novidade, já que a nova geração - muitas vezes acustumadas com músicas ligeiras que grudam no ouvido - ainda não teve a chance de se deliciar com suas composições.

Considerado um dos grandes compositores alagoanos, CM é dono de uma versatilidade pouco vista na MPB.Com a bagagem musical embasada no que há de  mais requintado no cenário artístico brasileiro, o compositor e dono de outros sucessos, alguns feitos em parceria com outros colegas.

No show, CM faz um apanhado de sua carreira musical, interpretando composições suas e em parceria com nomes como Mácleim, Marcondes Costa, Eraldo Cavalcante, Zuza, Geraldo Cardoso, Lecy Brandão, Zé da Feira e tantos outros.

A apresentação servirá também para que o músico apresente algumas músicas de seu novo disco, "Quebrando o Coco", que deverá chegar ás lojas nos próximos dias.

Concebido de forma intimista, o show mostrará um compositor maduro e um intérprete arrojado - consequência da experiência adquirida ao longo dos anos, nos palcos da vida.

Geração
CM faz parte de uma geração de artistas que foi abrindo veredas para que novos talentos da música alagoana despontassem não apenas no Estado, mais em outras regiões.

Sua condribuição á MPB (Música Popular Brasileira) é inegável, embora prevaleça sempre aquela sensação de pouco reconhecimento. Pioneiro de uma geração de ouro de artistas alagoanos, CM merece ser lembrado sempre.

[ Fonte: Jornal "Gazeta de Alagoas", 23/10/2003 ]


FORRÓ NA BATIDA DO COCO
Por Clarissa Veiga

O cantor e compositor alagoano Carlos Moura está lançando seu novo disco, "Quebrando o Coco", durante os festejos juninos deste ano. O CD é o primeiro trabalho onde o artísta canta apenas Forró. Mesclando o autêntico ritmo com as batidas do tradicional Coco de Roda alagoano, ele conta ainda com a participação de grandes nomes da Música Popular e Erudita do Estado.

O disco revela um artísta ansioso pelo resgate e pela divulgaçao da cultura da terra, e a sua aproximaçao dos folguedos, das danças e dos ritmos comuns aos moradores das mais remotas áreas do interior de Alagoas. As músicas apontam características inatas dos arrasta-pés tipicos dos fims de semana nos terreiros dos sítios, onde a população da zona rural apresenta o seu show de cultura e diversao popular.

Parcerias
CM afirma que o trabalho é fruto da consolidação de novas parcerias e das pesquisas que tem realizado em contato direto com a mais autêntica música nordestina. Ele destaca a estreia do poeta popular zé da Feira como compositor. "É dele a música "Quebrando Coco, tema do CD", informa.

A parceria entre dois artístas desse porte não poderia oferecer resultados diferentes. a música é poesia pura e conta ainda, com o vocal e trupel de Duarte do Coco, Vanusa e Edna, cuja participaçao confere um toque especial á música qundo mistura o Forró Pé-de-Serra ás Emboladas do Coco alagoano.

Participações
Produzido por Mácleim, o CD está sendo lançado pelo Selo Batuta e já está á venda nas Livrarias Caetés, no Museu da Imagem e do Som e nas melhores bancas de revista da Cidade. No entanto, o lançamento oficial do disco ainda não tem data marcada, mas o local já foi definido pelo próprio artísta: O palco do Teatro Deodoro .

CM destaca a participação especial de grandes estrelas da música alagoana na gravação do álbum.

"Quebrando o Coco" conta com a participaçao do acordeon de Tião Marcolino, o pífano de Railtinho e até o cello de Miran Abs, que cedeu também sua voz em uma participação magnífica na música "Sabe Menina". Aparecem ainda na obra, Clisthenes Moura, Felix Baigon, van silva, Noberto vinhas, welligton, Everaldo Borges, Jair, Mailson e Mestre Verdelinho.

[ Fonte: (extinto) Jornal "Tribuna de Alagoas", 23/06/2004 ]


RESENHA / CD - "Quebrando o Coco" / 2003

Além do ritmo incluído no título, "Quebrando o Coco" (que o leva diretamente ao papa da matéria, Jackson do Pandeiro), Carlos Moura lapida bem os Xotes - Penedo e Minha Sereia, alguns numa pulsão alceuvalenciana - Água de Cheiro e Sabe Menina, quadrilha junina - Chegou São João e Festejos e Desejos, além de desviar o Baião para o ritmo do Coco - Baião Aceso, Baião do Coração, acantonado pela programação eletrônica do produtor Mácleim. Discreta, para não interferir na essência, mas suficiente para provocar estranhamento.

Num atestado de que apesar das notícias esparsas aqui pelo Sudeste, o leito principal da música nordestina continua fluindo. Devagar e sampler.

Carlos Moura - "Quebrando o Coco" / 2003

Faixas:
01. Quebrando Coco
02. Rosa de Sol
03. Festejos e Desejos
04. Forrofiá
05. Baião Aceso
06. Água de Cheiro
07. Minha Sereia
08. Penedo
09. Sabe Menina
10. Chegou São João
11. Baião do Coração
12. Coco Com "C".

[ Fonte: Blog - poeiraecantos.blogspot.com ]


Carlos Moura – Quebrando o Coco
Por José Lessa ( Publicado em 22/12/2010 )

Nota: Colaboração de Dr.º Eraldo Cavalcante, médico e compositor – faz parte de sua coleção particular.
Texto: Rosiane Pedrosa

Filho das Alagoas, mais especificamente da Cidade de Palmeira dos Índios/AL, Carlos Moura interessou-se por música desde cedo e ainda na adolescência já tocava violão e cantava nas rodas de amigos. Iniciando sua carreira artística no início da década de 1970, com o Grupo “Os Bárbaros”, tempos depois passou a compor e cantar suas próprias composições e vislumbrando profissionalizar-se como músico no final da década de 1970 resolveu mudar-se para o Rio de Janeiro, onde iniciou sua carreira solo, gravando seu  primeiro LP, “Reviravolta”, em 1980, contudo foi com seu segundo trabalho “, Rosa do Sol”, através do sucesso  alcançado pela música “Minha Sereia”, uma louvação à Maceió, de sua autoria, que Carlos Moura conseguiu destacar-se nacionalmente.

“Quebrando o Coco” , que o forroalagoano.com traz hoje pra você, ouvir e curtir, é um CD que inclui dois de seus maiores sucessos “Rosa do Sol" e "Minha Sereia “, no qual Carlos Moura, mais uma vez, nos presenteia com suas poesias harmonicamente transformadas em Xote, Baião, Coco e Forró.

Sempre bem acompanhado por parceiros igualmente valiosos Carlos Moura nos emociona com a poesia que homenageia a Cidade de “Penedo”, composição de Zuza e Eraldo Cavalcante, ao cantar, quase recitando:

“Estrela matutina, / és nordestina
és um bem querer / linda menina
quando te vejo / perco o medo de envelhecer.”

Ou quando, na música-título desse CD, “Quebrando o Coco”, de sua autoria em parceria com o poeta popular Zé da Feira, em forma de cantoria, conta a origem do Coco de Roda ao esclarecer que:

“E no salão se ouve o pisoteado
Do coco sendo marcado
Com a moçada a gritar!
Olha o batuque do coco Mané
Quebra esse coco na sola do pé”.

Carlos Moura, poeta e cantor, violonista e compositor, artista alagoano cujo trabalho precisa e deve ser melhor conhecido e reconhecido, não apenas por nós, seus conterrâneos, mas pelo País, essa Nação de tantos talentos, e entre esses tantos, devemos ter orgulho de nomes como o dele, compondo a lista dos bons, dos melhores. Não falo por fanatismo, por excesso de alagoanismo, falo porque entendo como justo aplaudir os talentos da terra, e são muitos, Carlos Moura é um deles, mas temos muito mais e o site forroalagoano,com tem a proposta de divulgar o que há de bom no Forró alagoano bem como a contribuição de nossos artistas para o engrandecimento desse gênero musical.

Quebrando o Coco, traz outras músicas tão importantes quanto as acima citadas, a exemplo de Coco com “C” de Carlos Moura  e Marcondes Costa,; Forrofiiá de Tião Marcolino e seu filho  Dougals Marcolino, dois grandes músicos alagoanos, Baião Aceso, de Geo de Almeida, Paulão e Geraldo Cardoso, bem como todas as outras faixas, sem exceção, é  um deleite só.

[ Fonte: http://forroalagoano.com/acervo/carlos-moura-quebrando-o-coco ]





Reviravolta (1980) - Carlos Moura
Postado por Rodrigo Nogueira em 09/10/2010

Quem é o Cara:
Filho das Alagoas, Carlos Moura começou a carreira como integrante do Grupo Os Bárbaros e foi tentar a sorte na capital Maceió. Na década de 1970 saiu da banda e formou Grupo Vento. Foram para o Rio de Janeiro e lá Moura resolve tentar a carreira como cantor solo e compositor.

Sobre o Disco:
Reviravolta é seu primeiro disco solo. Baião, Xote e outros ritmos nordestinos recheiam esse agradável álbum desse cantor do povo. A faixa-título é uma verdadeira maravilha. Um arranjo dançante e muito bem escrito em sua simplicidade. As outras faixas que compõem o disco trazem os lamentos e as alegrias da vida nordestina.

A interpretação e as composições de Carlos Moura irradiam brilho e qualidade. Vale a pena curtir essa delícia de disco.

[ Fonte: http://centralmusical80.blogspot.com/2010/10/reviravolta-carlos-moura.html ]


[ Editado por Pedro Jorge ]


CONTATOS PARA SHOWS
Telefones: (82) 3324.7382 / (82) 8815.7620.

Nenhum comentário:

Postar um comentário